Jesus e João Batista: o que podemos aprender com suas diferenças

Jesus e João Batista têm muito em comum, até mesmo a família, mas também têm muitas diferenças. Enquanto João Batista “usava uma roupa feita de pelos de camelo e um cinto de couro e comia gafanhotos e mel do mato” (Mateus 3:4 NTLH), morava no deserto e os “moradores de Jerusalém, da região da Judeia e de todos os lugares em volta do rio Jordão iam ouvi-lo” (Mateus 3:6 NTLH), Jesus era praticamente o oposto: Ele estava entre as multidões e era tão sociável que participava das festividades de sua época, como o casamento relatado no segundo capítulo de João, onde faz o milagre da transformação de água em vinho. Jesus era tão comum que, para traí-lo, Judas teve que combinar um sinal: “Prendam o homem que eu beijar, pois é ele” (Mateus 26:48 NTLH). Isaías 53:2 (NTLH) diz que Ele “não era bonito nem simpático, nem tinha nenhuma beleza que chamasse a nossa atenção ou que nos agradasse”.  

É importante destacar que essa comparação não tem o objetivo de desmerecer João, muito pelo contrário. Seu ministério foi de extrema importância e o próprio Jesus afirmou que: “[…] de todos os homens que já nasceram João é o maior. Porém quem é o menor no Reino de Deus é maior do que ele” (Lucas 7:28 NTLH). Basicamente, Jesus nos ensina a viver entre a multidão e, nela, sermos a diferença – e não a nos isolarmos. Como humano, Jesus esteve sujeito a inúmeras tentações, mas não falhou. Ele esteve em festas com vinho, mas não se embriagou. Foi tentado por Satanás, mas não se rendeu. E isso é, para nós, motivo de muita alegria. A santidade de Jesus nos trouxe a salvação. O Cordeiro não se corrompeu!

Lembre-se disso: o Cordeiro não se corrompeu. Ser a diferença entre a multidão pode não ser uma tarefa trivial. Em muitos momentos, você pode ser tentado e provado de diversas formas. Nessas ocasiões, lembre-se do que diz o apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10:23 (NTLH): “Alguns dizem assim: ‘Podemos fazer tudo o que queremos.’ Sim, mas nem tudo é bom. ‘Podemos fazer tudo o que queremos’, mas nem tudo é útil”. Em outra tradução (NVI) talvez o sentido fique mais claro: “‘Tudo é permitido’, mas nem tudo convém. ‘Tudo é permitido’, mas nem tudo edifica”.

No mesmo capítulo, Paulo também nos exorta a esse respeito: “As tentações que vocês têm de enfrentar são as mesmas que os outros enfrentam; mas Deus cumpre a sua promessa e não deixará que vocês sofram tentações que vocês não têm forças para suportar. Quando uma tentação vier, Deus dará forças a vocês para suportá-la, e assim vocês poderão sair dela” (1 Coríntios 10:23 NTLH).

Por fim, Jesus reforça a importância de estarmos entre a multidão e, estando nela, sermos e fazermos a diferença. “Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada. É jogado fora e pisado pelas pessoas que passam. Vocês são a luz para o mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lamparina para colocá-la debaixo de um cesto. Pelo contrário, ela é colocada no lugar próprio para que ilumine todos os que estão na casa. Assim também a luz de vocês deve brilhar para que os outros vejam as coisas boas que vocês fazem e louvem o Pai de vocês, que está no céu” (Mateus 5:13-16 NTLH).

Que nossos corações e pensamentos estejam sempre no Senhor nosso Deus e que nosso falar e nosso agir testemunhem a glória do Pai.

Texto baseado na mensagem proferida por Wellington Batista de Medeiros (Tom) no Conexão Jovem da Igreja Deus é Fiel (Tupã – SP) em 05/12/2015, a quem agradeço o envio dos versículos utilizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *